Não se exercitar pode ser tão ruim quanto fumar, diz pesquisador

physed-treadmill-articleLarge-v2.jpg

Estudo descobriu que a falta de atividade física pode fazer tão mal quanto ter alguma doença séria ou ser fumante.

O estudo, feito por pesquisadores da Cleveland Clinic e publicado na revista JAMA Network Open, analisou 122.007 pacientes entre 1991 e 2014, colocando-os sob testes de corrida e caminhada em uma esteira, analisando as taxas de mortalidade dos mesmos. Assim, os pesquisadores descobriram uma conexão entre altos níveis de atividade física e uma vida mais longa e saudável.

"A aptidão aeróbica extremamente alta foi associada à maior sobrevida e foi associada ao benefício em pacientes idosos e com hipertensão", diz o estudo. Embora seja amplamente entendido que um estilo de vida ativo pode levar a uma vida saudável, o estudo conclui que um estilo de vida sedentário é o equivalente a ter uma doença grave e a cura mais simples é o exercício.

"Ser inapto em uma esteira ou em um teste de esforço físico tem um pior prognóstico, tanto quanto a morte, do que ser hipertenso, ser diabético ou ser um fumante", conta Wael Jaber, co-autor do estudo. O estudo também analisou o risco de ser extremamente ativo e descobriu as pessoas que se exercitam demais não enfrentam risco maior de morte: quanto mais uma pessoa se exercita, menores são as taxas de mortalidade.

Artigo extraído do site Minha Vida